Não jogue ideias no lixo.

Nosso projeto para 2020 é inclusivo, ambicioso e a sua participação é crucial. Seja atuando diretamente ou divulgando, falando para os seus amigos que estamos construindo um time de garimpeiros hamburguenses para encontrar ideias e ações bacanas por aí, que poderiam servir pra melhorar nossa vida aqui, já é uma contribuição e tanto.

Cidadão do mundo. Fernando Walter e a esposa Sulmara.

O mundo está cheio de ideias interessantes. Queremos reunir centenas, milhares delas – sempre pensando em Novo Hamburgo – num único banco. É um processo colaborativo entre pessoas que viajam, veem o universo com curiosidade e têm carinho e expectativas com o futuro da nossa cidade.

Algumas sugestões poderão interessar ao poder público; outras, despertar um insight em empreendedores, gerar negócios, empregos, cultura, diferenciais que nos empurrem para frente, que instiguem nossos cérebros mais privilegiados a buscarem desafios novos; muitas ideias servirão apenas para mostrar como o ser humano é sensacional nas suas criações. Mas só isso, já vai valer a pena.

Um exemplo? Albi , uma comuna na região de Occitânia, no interior da França, é onde reside Fernando Walter, hamburguense nascido em Lajeado, que percorre o mundo representando o segmento calçadista. Em Albi, descarte e coleta de lixo têm combinações sociais.

Coletor exclusivo para vidros, em Albi, França. A população retira tampas e rolhas antes de descartar os vidros aqui.

“Começa que todo lixo é separado antes de ser descartado, pelo gerador do lixo, em casa. Isso é norma compreendida e aceita. Orgânicos, plásticos, longa vida, papéis, cada material no seu devido lugar. Tem um aviso nas tampas das lixeiras para não colocar vidros, e fotos dos dejetos que podem ser descartados.

Para os vidros existe um processo racional e eficaz. Há coletores especiais colocados a cada 500 metros – dependendo da região – sempre próximos a locais de aglomeração de pessoas ou condomínios. “Ali depositamos todo e qualquer vidro, lembrando que é para vidros, não tampas ou rolhas.” Detalhes que fazem toda diferença: tampas e rolhas, NÃO!

A grande sacada destes coletores, inicialmente, foi reduzir acidentes com os trabalhadores, que machucavam-se muito. Mas resultou, também, em outras economias entre os ciclos de coleta e reciclagem, tornando o vidro – uma embalagem higiênica e mais limpa para o meio ambiente – mais barata. “Quando as pessoas atuam juntas, o benefício ou o malefício acaba voltando”, afirma Fernando.

Educação e comunicação para otimizar a separação do lixo.

Há também, nesta cidadezinha que preservou suas construções medievais, mas não parou no tempo, lixões para descarte daquilo que não é do dia a dia, como sofás, malas, ou eletrônicos, diz Fernando. “É o povo que leva o material até lá e separa, jogando plástico, madeira, isopor, cada coisa no seu lugar. Isso acarreta em economia para a prefeitura, que pode cobrar menos impostos ou fazer mais investimentos.”

Alternativas do tipo encontram-se em diversos lugares, com fórmulas adaptadas às necessidades de cada comunidade. E quando a gente vê algo assim, não pode esquecer, deixar para lá, descartar. Elas podem resultar em grandes avanços para nós. Então, que tal reunir tudo num único lugar? Um lugar que não é o lixo das ideias. É o canteiro a partir do qual elas poderão florescer… Em breve, todos que nos acompanham saberão como participar.

Fotos: Fernando Walter

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

6 thoughts on “Não jogue ideias no lixo.”

  1. Esse tipo de descarte, com diferentes fórmulas em diferentes países, realmente é mais inteligente e o melhor: possível. Mas passa, inevitavelmente, pelo esforço em educar e conscientizar as pessoas para tal. Esforço que necessita ser sistemático e persistente…

  2. Nossa cidade vem trabalhando a conscientização da separação do lixo há muito tempo. Muito já se conseguiu, mas a caminhada é longa ainda.
    Que boa ideia mostrar resultados de outros lugares para estimular mais ainda a nossa comunidade.
    Parabéns pela iniciativa.

  3. Bons exemplos são sempre animadores.
    Boas práticas
    Bons negócios
    Boas trocas
    Bons resultados a partir de uma ação pessoal, da iniciativa privada, da força de cada um.
    Fazer a sua parte é se tornar independente e autônomo…e afinal, é isso que todos nós queremos. Parabéns pela iniciativa!

  4. Gostaria que vocês pesquisassem sobre o projeto Cidades Digitais. Nem sei se já não foi extinto por esse governo, mas possibilitava instalação de internet de qualidade a todo âmbito da cidade, incluindo-se as periferias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *