Professor “desde criança”.

Desde a mais tenra idade, ele já gostava de brincar de dar aulas para o irmão, o primo, a empregada, o tio. O bisavô, Norberto Michel, foi professor e talvez tenha deixado de herança genética para o guri esse gosto por compartilhar conhecimento. Fábio Kruse, criador do Cursão do Fabão, já era professor da Fundação Evangélica aos 18 anos. Decidido a fincar pé na profissão, seu pai alertou: tudo bem, mas tenta fazer disso um negócio.

Desde 1993, o Cursão do Fabão prepara alunos para as provas de seleção da Liberato.

Fábio prestou vestibular para Administração de Empresas na Unisinos. Ao final do primeiro semestre, pediu curso paralelo para matemática. Após lecionar por 12 anos na Fundação, fez mestrado e, em 1997, foi contratado como professor de Matemática Financeira na Feevale, que acabou por se transformar em Centro Universitário, abrindo os cursos de engenharia. “Fui o primeiro professor de cálculo das engenharias e dei aulas durante 21 anos e meio lá.”

Acontece que antes disso, o Fabão já era conhecido e admirado por alunos do ensino médio (2º grau, naquela época). Dava aulas particulares e de preparação para o vestibular. Foram estes alunos que o incentivaram a desenvolver um curso como os que haviam em Porto Alegre. Resolveu tentar numa sala que seu pai tinha liberada, sem uso. “Comecei com grupo de preparação para o vestibular, só de matemática, que é minha área, e dando minhas aulas particulares nesta sala, em vez de no meu apartamento.” Era o ano de 1993.

Cada turma tem, no máximo, 25 alunos, exceto nos cursos preparatórios para concurso público.

O negócio engrenou e começaram a chegar solicitações para aulas de Física, Química e outras disciplinas. Alunos que estavam terminado o ensino fundamental quiseram um grupo para revisar conteúdos da Liberato e da Escola de Curtimento. As provas de seleção das duas instituições eram muito disputadas. A Escola de Curtimento atraía alunos de todo o globo, pois havia somente 5 escolas no mundo e a daqui era a única na América Latina. “Convidei outros 2 professores e desde lá temos a preparação para a Liberato, que é a “minha menina dos olhos azuis” . Felizmente, conseguimos colocar muita gente lá dentro.”

O professor já tem, pelo menos, 2 gerações de ex-alunos, muitos que viraram amigos do peito. Afinal, são mais de 37 anos de trabalho! O mestre credita grande parte do sucesso profissional ao seu jeito afetivo de lidar com os alunos. Na sua avaliação, educação é interação, motivação. O aluno tem que sentir o professor como uma pessoa que está ali para ajudá-lo, um amigo que tem firmeza mas, também, sensibilidade para exercer a profissão.

Com toda bagagem e experiência acumuladas, Fábio vê com preocupação os rumos da educação no país hoje. ‘Sou de um tempo em que professor, prefeito, pastor e padre, eram autoridades na cidade e vistos com muito respeito. Infelizmente houve uma inversão total de valores, o que é profundamente lamentável. Antigamente, tinha-se um respaldo muito maior por parte dos pais.”

Com a esposa Lane, que gerencia o negócio com sabedoria e leveza para o Fábio se preocupar com o que ele sabe.

O aperfeiçoamento do Cursão do Fabão e a ampliação dos cursos preparatórios para concursos públicos estão nos planos de alinhamento com o futuro do negócio. “Estamos aprimorando as aulas particulares online via Skype, inclusive com alunos que estão residindo na Europa. Acredito que seja um nicho de mercado muito interessante, que nós vamos explorar cada vez mais. Estou também recebendo sugestões para gravar pequenos vídeos com aulas de matemática para publicar no Youtube.”

Sobre o bairro Ideal, Fabão não tem dúvidas: “Eu gosto muito desse bairro. Está junto ao Centro, mas não tem aquele movimento. Tem estacionamento fácil supermercado, padaria, banco, farmácia. Tu estás na entrada da cidade e ao mesmo tempo na saída. Tudo muito prático.”

Fotos: Divulgação

 

 

 

3 thoughts on “Professor “desde criança”.”

  1. Conheço este professor!
    Lindo, coração cheio de amor,sorriso largo,olhar sincero!Amo-o!
    E não pára aí:
    Ele é um “BAITA PROFESSOR”,como dizem
    seus alunos!
    Infelizmente não o tive como meu professor.Claro,tenho só
    81 aninhos…!
    Mas ,pelo currículo do
    PROFESSOR Fábio,
    pelo seu temperamento
    tranquilo,pela sua formação acadêmica e familiar,eis aí o porquê do meu lamento de não
    estar hoje nos meus 15 anos!

  2. Adoro este colega professor ..
    Somos da mesma área…
    Nossa matemática maravilhosa.
    Pessoa do bem…
    Parabéns pelo teu sucesso, Fábio.
    Ah…. Também compartilho ser ”professora desde criança”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *