PONTO DE VISTA: A cidade muda o cidadão ou o cidadão muda a cidade?

Sentado num banco da praça Punta del Leste observando o movimento e burilando as ideias que mais tarde eu teria que estruturar para compor a matéria que publiquei aqui no blog semana passada, essa questão se meteu entre os meus pensamentos. Não lhe dei muita atenção porque não era o foco e tampouco estava a fim de procurar uma resposta que, de antemão, sabia que não encontraria assim, facilmente. A coisa é complexa.

Mas quem cutuca onça com vara curta deveria saber que toda ação provoca uma reação. Ela veio pela manifestação dos leitores e, quando percebi, estava enredado e de novo querendo saber: nós agimos sobre a cidade ou a cidade age sobre nós? Sucedeu que entre comentários, mensagens e e-mails aprovando a nova estrutura da praça, houve também os insatisfeitos. Um exemplo: “Os bancos não têm encosto, isso é um absurdo!”

Acredito que as melhorias devem ser uma prática constante. É um ciclo que nunca acaba. Se está ruim, precisa ser melhorado. Se está bom, pode ficar melhor ainda. Mas é um passo a passo, cada coisa a seu tempo. Os bancos não têm encosto? Só de raiva vou sentar sobre as floreiras. Assim mostro meu descontentamento com esta incompetência absurda de quem não botou encosto nos bancos!

Fiquei em casa matutando: saberemos preservar e aprimorar as mudanças que estão acontecendo na nossa cidade como uma sociedade que busca um desenvolvimento coletivo? Estamos preparados para um ciclo positivo de melhorias constantes?

Quando comecei a escrever o blog, o primeiro tema foi “Jogando a favor do seu patrimônio”. Como Consultor Imobiliário, tenho interesse que Novo Hamburgo seja o melhor lugar do mundo, porque isso valoriza os imóveis, óbvio. Cuidar da calçada, da rua, do bairro, penso eu, é dever e deveria ser do interesse de todo mundo. Da cidade, então, nem se fala. Mas tem sempre quem só vê o lado negativo e aí joga contra. Do meu ponto de vista, cidade e cidadão são agentes transformadores para o bem e para o mal. E do seu?

 

5 thoughts on “PONTO DE VISTA: A cidade muda o cidadão ou o cidadão muda a cidade?”

  1. Excelente ponto de vista! Cidade e cidadão são sim – agentes transformadores – para o bem e o mal, para a construção ou apenas para reclamação, para a inovação ou para o atraso, para o sucesso ou para o fracasso. Cada um, a cada dia, está construindo com palavras, expressões, ações e movimentos a CIDADE que queremos. Não apenas a cidade, a RUA que moramos, a CASA que elegemos nossa e que investimos nosso tempo para ADQUIRIR. Cada caminho é feito de pequenos passos, escolhidos diariamente, no pensamento. Viva a liberdade de pensamento, crença e ação. Viva a evolução. Parabéns pelo enfoque, Jorge!

  2. Muito oportuno seu comentário. Sugiro que você publique numa página semanal no jornal NH.
    Fica a dica.
    Um grande abraço, meu ex-aluno do Pasqualini .

  3. Instigante questionamento! Acredito que exista um movimento dinâmico, uma troca constante entre a cidade e o cidadão. Quanto mais o cidadão compreender a importância de preservar a limpeza e a integridade do ambiente, maior será a exigência da manutenção que cabe à administração pública. Não só manutenção, como real atenção e escuta às necessidades da população que atende!
    Quanto mais limpo e íntegro estiver um ambiente, mais haverá inibição para suja-lo; de um modo geral, claro. Pois quando falamos de ideias como “o banco não tem encosto, então protestarei sentando na floreira”, estamos falando de alguém com pensamento distorcido e de um tipo de “lógica” que, definitivamente, não representa a maioria dos cidadãos.
    Obviamente, é necessário haver um coerente trabalho educativo, visando resgatar a cidadania como uma condição que envolve direitos mas também deveres, assim como compromisso e respeito com o coletivo.
    Enquanto continuarmos estimulando o individualismo e o descaso com o que é comunitário/público, no popular argumento “é de todos, então não é de ninguém”, dificilmente haverá mudanças significativas.
    Enfim, é um assunto que suscita várias idéias, estimula diferentes opiniões e exige muitas reflexões.
    Quem sabe não inicias um movimento neste sentido?

  4. Grande reflexão mesmo!Assim diz o ditado “Aquele que muito quer,corre o risco de nada ter!”…somos agentes de transformação logo, se desejo melhorias para minha cidade,devo fazer a minha parte!Ação e reação, simples assim!Abraços

  5. Tudo é questão de educação, se eu aprendi em casa a cuidar das minhas coisas, das coisas alheias eu também vou cuidar e querer que isso prossiga para que a nossa Cidade volte a ser destaque em todas coisas belas ,que seja uma cidade com um povo mais educado e aprenda cuidar, para tenhamos uma cidade linda e valorizada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *